Category Archives: Alimentação

A esquisitinha cá de casa 

A L. anda numa fase em que quer comer sempre a mesma coisa, recusa-se a provar alimentos novos e mesmo que sejam alimentos que já conhece, se tiverem outra apresentação, diz que não gosta.
O problema aqui é que nós queremos que ela vá variando as refeições e os sabores. Temos de a contrariar ou convencer em quase todas as refeições e eu farto-me de dar voltas à cabeça para descobrir como fazer coisas diferentes e de que ela goste. No infantário as refeições são variadas, mas os ingredientes são quase sempre os mesmos, os lanches parecem fotocópia e se não for em casa ela não experimenta nada de novo.

Sabemos que no infantário ela come tudo e não reclama, mas em casa dá-lhe o mimo e vêm as esquisitices todas.

As últimas descobertas que fiz foram:
– Sumos de frutas caseiros (só algumas misturas é que resultam) num copo bonito e com palhinha são boa escolha;

– Ovos mexidos vão com quase tudo e pequenos muffins salgados também;

– Panquecas feitas com aveia e alfarroba também são alternativa às panquecas normais, mas têm de ser adoçadas com açúcar porque a criatura não gosta de mel ou stevia. Reclama logo.

– Banana ao lanche ou pequeno almoço pode ser, mas tenho de cortar e a menina come com um garfo. De outra forma dá duas dentadas e diz que não quer mais;

– Bolos com cereais integrais e sem farinha e ovos também dão para a convencer a comer coisas diferentes e fazer de conta que se trata de um bolo igual aos outros…

Tem sido uma animação inventar coisas para ela comer, mas aos poucos lá vou conseguindo.

E aí por casa também há muitos esquisitinhos?

Batata doce

Já há algum tempo que não falava aqui sobre as nossas refeições em família e desta vez não deixo bem uma receita, mas uma sugestão: empadão de peixe com puré de batata doce.

Não somos muito fãs de batata doce, mas temos andado a explorar receitas diferentes com batata doce, para ver se descobrimos a forma ideal de a incluir na nossa alimentação. Vi a receita de empadão com batata doce, resolvi experimentar e gostei bastante do resultado. O truque, para mim, é temperar bem o puré de batata para cortar o doce.

Aqui ficam as fotos da preparação do dito cujo:

img_20170227_1914061

O puré feito com batata e leite morno, bem temperado

img_20170227_1920291

A base de peixe e molho de tomate

img_20170227_1924041

E depois as camadinhas do empadão pronto para ir ao forno

Aceitam a sugestão? E outras sugestões para comer batata doce?

Lanches saudáveis 

Nesta coisa de comer melhor a minha maior dificuldade é encontrar lanches saudáveis. Coisas que possa comer entre as refeições sem peso na consciência. 

Na maioria das vezes opto por levar os lanches comigo,  porque encontrar algo assim à venda é quase um milagre. 

As minhas escolhas passam por:

  • Iogurtes líquidos
  • Queijo fresco
  • Ovo cozido
  • Bolachas de milho
  • Cenoura 
  • Queijinhos tipo “vaca que ri” 
  • Frutas
  • Nozes ou amêndoas 
  • Panquecas de aveia
  • … 

    Acho que estas sugestões mostram que é possível fazer boas escolhas,  mesmo para quem come quase sempre fora de casa. Não acham? 

    Perder peso + fazer escolhas saudáveis 

    Como tinha falado num dos posts anteriores, tenho andado a controlar mais o que como, pensando no bem que me faz,  no nutritivo que é e naquilo que gosto de comer. Para além disso tenho ido ao ginásio com mais frequência. 

    Tinha prometido deixar aqui uma lista do que tenho andado a comer e a evitar.  Aqui fica ela:

    1. Cortar completamente nos doces: sou muito gulosa e adoro um bolinho ou um chocolate quente, mas isso teve mesmo de acabar. Desde dia 2 de Janeiro que a única coisa doce que como/bebo é café com adoçante. O resto cortei mesmo e, até ver, não tem custado nada. 

    2. Evitar os hidratos: sim,  eles são importantes e não os devemos eliminar da nossa alimentação, mas podemos escolher quais comer e o que nos faz melhor. Deixei de acompanhar as refeições com arroz branco, massa ou batata e passei a usar legumes,  massa integral ou arroz integral e batata doce.  Aqui também é importante ter em conta as quantidades que comemos,  claro. 

    3. Legumes e mais legumes: sopas, saladas, snacks a meio da manhã ou da tarde… A maioria das refeições têm legumes. Bons e variados para não enjoar. 

    4. Fruta: a fruta é saudável e faz bem e tem fibras e bla bla bla, mas para o meu organismo não ajuda comer demasiado. Tento não comer mais do que uma peça de fruta por dia. 

    5. Pão: como boa portuguesa,  adoro pão. Esta é a parte que mais me custa,  mas se eu não disser a mim mesma que não posso,  sei que vou acabar por comer pão a todas as refeições. Assim,  passei a comer uma ou duas fatias de pão escuro por dia. Para mim resulta.  Se me disserem que não posso comer nenhum vou ficar muito triste.

    6. Aguinha da boa: pois é. Terminaram os sumos,  as bebidas com gás, as águas com sabores, os néctares de fruta. Bebidas para o dia todo passam por água,  chá e um café ou derivado.

    Este é um plano que para mim resulta. Não quero aqui vender a ideia como sendo ideal para todos ou super saudável,  até porque não sou nutricionista,  mas apenas partilhar o que tenho feito e deixar uma inspiração para quem está a tentar mudar o estilo de vida.

    A minha vontade não é  fazer isto uns meses e voltar ao antigo. A ideia é  manter estas escolhas na maior parte dos meus dias,  porque me parecem mesmo ser a melhores para mim e as que me fazem sentir bem. O que acham? 

    Habemus Resultados

    351d2ba10040ed58d2386df5894d1582

    Desde dia 2 de Janeiro que ando a controlar (ainda) mais as coisas que como e tenho tentado ir ao ginásio, no mínimo, duas vezes por semana.

    Resultado: quase 3 kg a menos.

    Não é muito, mas já é um bom princípio e já sinto as diferenças na roupa. Significa que os cuidados que vou tendo estão a dar resultado e que tenho de continuar a portar-me bem.

    Depois da gravidez fiquei com peso a mais e já aqui tinha partilhado que isso me incomoda um pouco e que queria recuperar o meu peso anterior. Quem acompanha este blog também sabe que me preocupo bastante com o que se come cá por casa e que tento fazer compras saudáveis para a casa e deixar as coisas menos saudáveis para comer só de vez em quando.

    Depois das gordices todas do natal e do “comer sem pensar duas vezes” durante a gravidez, precisei de medidas mais extremas para combater os kilos a mais. O plano actual é continuar a diminuir o consumo de hidratos e de açúcares e aumentar o exercício físico.

    Até ver está a dar resultado.

    Vou tentar deixar aqui uma lista das escolhas e das alterações que adoptei nestas semanas (e que espero ter força de vontade para continuar). Pode ser que ajudem também quem anda a tentar perder alguns kilitos a mais.

    Baby food

    Estamos na fase dos purés e das sopas. O A. anda todo contente a experimentar novos sabores e novas texturas todas as semanas.

    A alimentação dos bebés é para mim um tem, quase, tabú. Cada pediatra e cada mãe/pai sua sentença e ai de quem vem dar opiniões contrárias. Às vezes até me pergunto como podem pediatras do mesmo país, que estudaram mais ou menos o mesmo, terem opiniões tão diferentes?!?

    Como me desenrasco eu? Escolhi uma pediatra à minha medida e lá vou seguindo as indicações que ela me dá.

    A pediatra do A. é a mesma da L. e é uma médica que acredita nos benefícios da alimentação natural e o menos processada possível. Recomenda a introdução gradual dos alimentos, papas só caseiras, fruta sim mas que não venha em boiões, leite de vaca só lá para os três anos e se optar por uma bebida vegetal em vez de leite ela não se chateia nada, açúcar (quando a criança tiver idade) quanto menos melhor…

    Claro que se quiser empanturrar a criança de Cerelac e Bledina ela não deixa de acompanhar a criança, mas não é de todo o que ela recomenda.

    Para muitos pais isto será exagero e o melhor é nem discutir o que as criancinhas comem e quando, mas para mim é um descanso saber que a médica que acompanha os meus filhos defende o mesmo estilo de vida que eu.

    E por aí, quem já ouviu um “com essa idade e ainda não come isto ou aquilo”?

    Eu sorrio e sigo caminho sossegadinha.

    Gomas caseiras

    Gomas caseiras

    Quem gosta de gomas? Quem come um pacote de gomas num abrir e fechar de olhos? Quem sabe que isso não é nada saudável?

    Pois é, eu, eu, eu!

    Para além de mim, ainda temos mais viciados em gomas cá por casa e a minha filha e a minha sobrinha estão no topo da lista. Na última festa de família resolvi experimentar as famosas gomas de gelatina ou gomas caseiras, feitas com gelatina light e sem açúcar.

    Adorei o resultado! Ficam iguais às gomas de compra, são fáceis de fazer, sabem muito bem e são bem mais saudáveis.

    Eu experimentei a receita para robot de cozinha, mas podem fazer o mesmo numa panela normal e a internet tem várias receitas. Escolham a que vos parecer melhor e experimentem. Eu fiz esta:

    Ingredientes:

    • 200 g de água
    • 20 g de gelatina natural em pó
    • 1 saqueta de gelatina 0% açúcares de sabor a gosto

    Preparação:

    1. Coloque no copo:
      • todos os ingredientes > bata 20seg/vel4
      • baixe com a​ espátula e programe > 3min/100ºC/vel2
    2. Verta o preparado nas formas passadas por água fria e leve ao frigorífico pelo menos 1 hora. Desenforme e já está.

    Tão fácil quanto isto!