Dias de uma stôra 

Não costumo partilhar aqui coisas que se vão passando nas minhas aulas, porque muitas vezes são coisas demasiado pessoais e que só dizem respeito aos alunos e outras vezes acho que ninguém quererá saber dessas histórias. 
Hoje vou partilhar este episódio convosco mais pelo final do que pela história em si. Segunda feira, logo de manhã, ainda o café quase não tinha chegado ao estômago, e já tinha um aluno a gritar palavrões na minha sala, a mandar mesa e cadeiras ao chão (não é forma de dizer, foi mesmo assim) e a bater com portas. 

Se em anos anteriores eu teria ficado bastante chateada e passaria o dia a pensar naquele episódio e a pensar no que poderia ter feito para o evitar, este ano sinto-me completamente “indiferente” a estas coisas. Não indiferente porque não quero saber dos alunos ou do trabalho, mas porque finalmente entendi que o problema aqui não sou eu. Não há muito que possa fazer para evitar estes comportamentos por parte dos outros, não tenho de me responsabilizar por eles, nem deixar que isso afecte o meu dia ou a minha semana. 

Pode parecer estranho, mas para mim é uma pequena vitória e não o sinto como falta de empenho ou de profissionalismo , mas sim como amor próprio.

A aula continuou a decorrer normalmente e amanhã será outro dia.

Muito estranho para quem tem outras profissões? 

Olá Primavera 

Estes dias de sol e algum calor, que já sabem a Primavera, deixam-me sempre mais alegre e de bem com a vida. Até já estou a planear coisas giras para fazer com a família no fdsemana. 

Ontem foi dia da mulher e os piolhos cá de casa trouxeram trabalhos feitos na escola e inspirados aqui na mãe. O tipo de trabalho é o mesmo mas a idade das crianças é bem diferente. 

Em qual fiquei mais favorecida?

Vamos lá sorrir e aproveitar o dia. Amanhã já é sexta! 

Bobo da corte

Aproveitámos a pausa do Carnaval (ou devo dizer, as curtas horas em que os meus alunos se ausentaram da escola?!?) para ir experimentar os petiscos da Taverna Bobo da Corte, em Palmela e adorámos.

Os miúdos estavam na escola, o meu marido tinha uma hora de almoço maior e eu também… Lá fomos sair, almoçar fora e aproveitar para namorar um bocadinho.

O restaurante é muito giro, a vista do Castelo de Palmela é sempre linda e o comer vale muito a pena. Comemos demais, comemos um bocadinho de quase tudo e só pensávamos que nos próximos dias o melhor era não comer nada, mas pronto. Vale muito a pena!

 

Batata doce

Já há algum tempo que não falava aqui sobre as nossas refeições em família e desta vez não deixo bem uma receita, mas uma sugestão: empadão de peixe com puré de batata doce.

Não somos muito fãs de batata doce, mas temos andado a explorar receitas diferentes com batata doce, para ver se descobrimos a forma ideal de a incluir na nossa alimentação. Vi a receita de empadão com batata doce, resolvi experimentar e gostei bastante do resultado. O truque, para mim, é temperar bem o puré de batata para cortar o doce.

Aqui ficam as fotos da preparação do dito cujo:

img_20170227_1914061

O puré feito com batata e leite morno, bem temperado

img_20170227_1920291

A base de peixe e molho de tomate

img_20170227_1924041

E depois as camadinhas do empadão pronto para ir ao forno

Aceitam a sugestão? E outras sugestões para comer batata doce?

Bookcrossing

Como já falei por aqui, sou fã do projecto de Bookcrossing e foi-me muito útil quando andei a destralhar a casa e fiquei com imensos livros para dar. 

De vez em quando tenho de dar mais uma volta aos livros, porque vou ficando sempre com alguns que não quero guardar e acabo por ter sempre livros para dar. 

Desta vez reuni os livros que andavam por cá e propus a uma colectividade local a criação de um ponto oficial de Bookcrossing. 

A ideia foi bem aceite e já está a dar frutos. 

O que acham deste tipo de iniciativas? Já pensaram aderir ao Bookcrossing?